Edição do dia
Qui, 20/04/2017 | Atualizado em: 20/04/2017 às 05h00

do mal Mergulho com Baleia Azul é barril dobrado!

Erick Tedesco/A Tarde SP e Da redação
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A família da adolescente Ana Vitória Sena de Oliveira, de 15 anos, que desapareceu há dois dias na cidade de Juazeiro, norte da Bahia, prestou queixa no complexo policial da cidade na tarde de ontem. À polícia, os familiares apresentaram a carta de despedida da jovem, onde ela pede desculpa e diz que ia pular da ponte Juazeiro-Petrolina, além de vídeos nos quais aparece se mutilando, supostamente seguindo parte do ritual do jogo Baleia Azul. Até o fechamento desta edição, o paradeiro da menina ainda era desconhecido. Ana Vitória está sumida desde a segunda-feira, 17, quando foi vista pegando um ônibus.

"Em oração, pedi a Deus que ela apareça com vida. Não estou esperando uma notícia ruim, mas se for cumprido o que ela escreveu na carta, infelizmente teremos que estar preparados para o pior", lamentou Cosme dos Santos, padrasto de Valquíria Barbosa Sena, 31 anos, mãe da jovem.

O caso de Vick, como é conhecida a adolescentes, não é o único. Por todo o país pipocam histórias parecidas já reconhecidamente relacionadas ao jogo Baleia Azul.

O game reascende o alerta - e a urgente necessidade de ajuda - para diversos assuntos que afligem crianças e adolescentes, como bullying, depressão e suicídio e também como pais e educadores devem reavaliar os respectivos papeis na assistência a elas.

Publicidade