Edição do dia
Qui, 18/05/2017 | Atualizado em: 18/05/2017 às 05h00

Disparos Goleiro ficou sem defesa contra ladrões

Alexandre Santos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O corpo do goleiro baiano Alisson Mateus Moreira, 17 anos, assassinado a tiros no último sábado (13), em Fortaleza-CE, foi enterrado por volta das 11h da manhã de ontem, no Cemitério Quinta dos Lázaros, no bairro da Baixa de Quintas.

Sob clima de forte comoção, cerca de 500 pessoas, entre familares e amigos, se despediram do atleta, que era natural de Salvador e criado em Plataforma, no subúrbio ferroviário.

Segundo o Floresta Esporte Clube, onde Alisson atuava há três meses, ele foi morto quando chegava na festa que celebraria o acesso do time à Série A do Campeonato Cearense.

Testemunhas relataram que o jogador seguia de carro pelo bairro Vila Manoel Sátiro quando acabou alvejado na cabeça e no ombro. Ele chegou a ser socorrido para uma unidade de saúde, mas não resistiu aos ferimentos.

Inconformados, parentes lamentaram o crime. "Estamos todos chocados. Desde os 7 anos ele vem correndo atrás do objetivo dele. Foi pro Vitória, pro Bahia, pro Fortaleza e depois para o Floresta. Infelizmente, houve esse acontecimento", emocionou-se Matias Bispo, 69, avô de Alisson.

"Ele era um menino alegre e muito comunicativo", descreveu a madrinha Camila Naiara, 27.