Edição do dia
Sex, 19/05/2017 | Atualizado em: 19/05/2017 às 10h37

Dia de pânico em clínica na Pituba

Euzeni Daltro
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Diferentemente dos comparsas, Hélber Silva Rosa, 29 anos, não conseguiu fugir após roubar pacientes e funcionários da clínica Cedermes, ontem à tarde , na Avenida Paulo VI, na Pituba. O rapaz 'bateu de frente' com policiais militares e acabou por fazer um homem de 46 anos refém e o manteve sob a mira de um revólver calibre 38. Depois, exigiu a presença da mãe, a empregada doméstica Veralúcia Silva, 46, e da imprensa como condições para se entregar à polícia.

Hélber se rendeu após uma negociação de cerca de meia hora com a delegada Maria Selma Lima, titular da 16ª DT (Pituba). "Eu estava precisado de dinheiro. O remédio de meu irmão custa R$ 160 mil. Onde minha mãe vai arrumar R$ 160 mil?", disse ele, na 16ª DT. "Meu irmão está precisando de remédio. Temer roubando, todo mundo roubando e ninguém vai atrás dos caras", completou.

Hélber possui 11 passagens pela polícia pela prática de roubos em bairros como Nordeste de Amaralina, Pituba e Piedade, segundo a delegada.

O irmão dele tem 17 anos e sofre de mucopolissacaridose, uma doença crônica. A mãe disse que o remédio não é fornecido pelo governo federal há seis meses. "Espero que ele aprenda, se recupere e pare para pensar no que fez. Não sei o que vai ser da minha vida, era ele quem tomava conta do irmão", lamentou a mãe.

A delegada afirmou que quatro pessoas participaram do crime, entre elas um adolescente. Mas apenas três entraram na clínica.

Publicidade