Sex, 06/04/2018 | Atualizado em: 06/04/2018 às 05h00

Surfe Nordeste está no alto das ondas

Aurélio Lima
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

"Na minha vida, sempre fui acreditando nos meus sonhos. O sonho agora é ser campeão do mundo". A frase dita em 2016 pelo surfista potiguar Ítalo Ferreira, de 22 anos, não se cumpriu em 2017, até porque ele se machucou e ficou três meses parado. Mas a chance de título se renova para 2018 com a incrível vitória sobre o australiano Mick Fanning.

Campeão da etapa de Bells Beach, finalizada no final da noite de ontem, Ítalo badalou o sino do troféu em vitória que ficará marcada em sua vida por ela ter sido conquistada na despedida de Fanning do surfe profissional. Desde sempre, o australiano tri mundial foi a inspiração do potiguar.

Mas, apesar de habituado a enfrentar dificuldades – tendo começado a surfar aos oito anos em cima da tampa da caixa de isopor na qual o pai guardava peixes para revenda –, Ítalo mal se deu conta do feito que realizou.

"Nem consigo acreditar ainda nisso tudo. É incrível. A minha primeira vitória, e contra Mick Fanning", suspirou, lembrando em seguida ter estreado numa final ante Filipe Toledo em 2016 e, no ano passado, ter ficado fora devido a uma lesão.

A vitória em Bells Beach fez dele o terceiro nordestino a ganhar uma etapa na elite do surfe mundial. Os outros triunfos foram do também potiguar Jadson André, em 2010, e do paraibano Fábio Gouveia, em 1990, 91 (duas vezes) e 92. Entre os brasileiros, Ítalo é o 14º a ganhar uma etapa da elite do surfe.

O potiguar divide o topo do torneio mundial com Julian Wilson (AUS): 11.665 pontos.