Nas Ruas

Sáb, 09/02/2019 | Atualizado em: 09/02/2019 às 05h07


Nas Ruas

Pesquisa Estudo liga resistência natural à dengue e à zika

Catarina Lopes*
A+ A-

Estudo feito pelo Instituto de Saúde Coletiva da Ufba compara o alto nível de anticorpos para dengue com uma maior proteção natural contra a zika.

Segundo o professor Frederico Costa, o estudo relaciona a resistência natural à dengue a uma possível resistência natural contra a zika. "Existem quatro tipos de vírus de dengue, e, às vezes, se alguém tem, por exemplo, o tipo 1 e se recupera, desenvolve imunidade ao tipo 1 e uma certa resistência aos outros tipos. O estudo mostra que esse tipo de interação também pode existir com a zika", explica.

A associação está em estado inicial e não é recomendado que alguém tome a vacina de dengue procurando proteção contra a zika.

Mas essa relação não é tão simples. "Algumas pessoas, depois de ter um tipo de dengue, podem contrair o outro e ter uma versão mais forte da doença", lembra o pesquisador.

Costa relata que o estudo foi feito em parceria com a comunidade de Pau da Lima, algo que ocorre de forma semestral. "Assim, tínhamos informação para avaliar a presença da dengue antes da zika. Por exemplo, quem já teve dengue e não contraiu zika", explica.

Costa também conta que a comunidade teve uma incidência alta de infectados pela zika - cerca de 73% da população. Entre os não infectados pela zika, muitos tinham anticorpos para dengue. "Quem tinha anticorpos para dengue raramente pegava zika. Quanto maior o nível de anticorpos para dengue, parece maior a proteção contra zika", conta Costa.

Outro achado relevante foi que, depois do pico de infecção de zika, entre março e outubro de 2015, os números de casos diminuíram muito e quase sumiram. "Isso sugere que uma imunização natural para o vírus ocorre", ressalta Frederico Costa.

* Sob a supervisão da editora Meire Oliveira.