Viver Bem

Ter, 20/08/2019 | Atualizado em: 20/08/2019 às 04h03


Viver Bem

Dá para menstruar sem sofrência

gabriel conceição*
A+ A-
almassa.com.br

Com o passar dos tempos, a menstruação deixou de ser um assunto considerado tabu e se tornou um tema amplamente discutido. Um dos pontos é encontrar uma melhor maneira de lidar com esse período incômodo na vida da mulher.

O absorvente, que surgiu como uma salvação para o público feminino, passou a ser criticado pelo desconforto e imprevistos que pode ocasionar. Além disso, seu uso tem sido contestado por causar danos ambientais.

Com o avanço das tecnologias, formas alternativas e mais modernas têm sido criadas, como é o caso dos coletores e das calcinhas menstruais. No entanto, mesmo sendo práticos e mais higiênico, ambos ainda causam dúvidas se trazem riscos à saúde feminina.

"Diferentes dos absorventes internos, o coletor menstrual, também conhecido como 'copinho', tem um formato de cálice e tem como objetivo coletar o sangue expelido na menstruação. Ele é colocado na entrada da vagina e é ajustável a qualquer corpo, além de ser hipoalergênico e econômico. Bem conservado e higienizado, ele pode durar até mais que dois anos", disse a ginecologista Marisabel Boere.

A vantagem principal, no entanto, é que, diferentemente dos absorventes tradicionais, que têm de ser trocados em intervalos de poucas horas, os coletores feitos de silicone só precisam ser retirados, esvaziados e lavados a cada seis a 12 horas, dependendo da intensidade do fluxo menstrual. Seu custo está entre R$ 70 e R$ 150.

Já as calcinha menstruais possuem camadas finas de tecidos especiais que a tornam ao mesmo tempo absorvente, impermeável e respirável. De acordo com a ginecologista, a calcinha é discreta, livre de odores e higiênica. Além disso, ela é reutilizável e seu uso pode ser de até 12 horas. Os preços das calcinhas menstruais variam de R$ 75 a R$ 95.

"Ambos são opções sustentáveis, higiênicas e econômicas. Porém, cada um tem suas vantagens específicas que são de gosto individual e único. Nesse sentido, conhecendo a intensidade do seu fluxo menstrual em cada dia do período, tanto o coletor quanto a calcinha são seguros. Caso seu fluxo seja super intenso, fazer o uso dos dois juntos pode ser sua salvação", concluiu a médica Marisabel Boere.

* Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos