Viver Bem

Ter, 27/08/2019 | Atualizado em: 27/08/2019 às 04h03


Viver Bem

Sarampo na gravidez é barril

gabriel conceição*
A+ A-
almassa.com.br

Com o aumento de casos de sarampo registrados no Brasil, as mulheres grávidas fazem parte de um grupo de risco que deve ter um cuidado ainda maior com a doença. Uma vez que a mãe do bebê esteja infectada, pode gerar graves problemas de saúde ao bebê, especialmente para a visão, o que pode levar à cegueira.

"O sarampo acomete principalmente crianças menores de 5 anos, e, no passado, era uma das principais causas de morte infantil em todo mundo. No entanto, adultos podem contrair a doença e, quando isso ocorre na gravidez, se torna algo especialmente grave, pois o bebê pode nascer com alterações no nervo óptico ou na retina, levando a uma possível cegueira", diz o oftalmologista Douglas Eichenberg.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de infecções pelo vírus do sarampo quase triplicou em 2019 no mundo. No Brasil, já são mais de 1.300 casos.

A Bahia está entre os estados com surto ativo da doença, ou seja, com crescimento do número de casos confirmados. Foram mais de 190 neste ano.

A doença pode ser contraída de formas simples, por tosse, fala, espirro ou pelo ato de respirar próximo de alguém.

Por isso, é essencial que as mães gestantes, especialmente as que não receberam vacina contra o sarampo ou não sabem se estão imunizadas, tenham um cuidado especial para evitar o contágio, até porque os sintomas iniciais da doença podem ser confundidos com gripe seguida de febre.

Se tiver sido infectada, a gestante precisa procurar o obstetra com urgência.

* Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos