Esporte

Ter, 08/10/2019 | Atualizado em: 08/10/2019 às 07h58


Esporte

de volta para casa

everton santos*
A+ A-

O bom filho à casa torna. Depois de três partidas atuando pela Série B do Brasileirão como mandante na Arena Fonte Nova e sem conquistar triunfos, o Vitória volta a jogar hoje no Barradão, às 20h30, contra o Oeste, pela competição.

Como os jogadores seguem sem falar com a imprensa, foi o técnico Geninho quem concedeu entrevista coletiva ontem na Toca do Leão e comemorou o retorno para o estádio. "Aqui realmente é a casa do Vitória. É aqui que treinamos e vivemos nosso dia a dia. E o jogador também se sente melhor aqui. Eu espero que a volta ao Barradão nos traga bons resultados", projetou.

Para a importante partida, o comandante terá cinco desfalques. Anselmo Ramon, Gabriel Bispo, Ruy, Baraka e Capa estão fora do embate.

Com a vaga aberta na lateral-esquerda, quem deve estrear no Vitória é Thiago Carleto, que chegou ao clube na semana passada. Além dele, apenas Jordy Caicedo, que não foi titular na última partida, deve começar entre os 11. Já Felipe Gedoz, que era tratado como dúvida, está confirmado para o duelo.

Mesmo com o grande número de atletas fora de jogo, Geninho preferiu não se queixar. "Eu procuro nunca chorar a perda do jogador. Prefiro valorizar aquele que eu vou utilizar. Tem que preparar o grupo todo e motivar os jogadores", lembrou o treinador.

Após uma sequência de cinco jogos sem triunfar, o comandante também fez questão de destacar o lado psicológico do time. "Você tem que dá tranquilidade a esse grupo. Ele tem que se sentir protegido para poder fazer os jogos. O trabalho do lado psicológico é tão importante quanto o trabalho de campo", completou.

Do outro lado, o Oeste chega para a partida em situação mais tranquila. A equipe paulista venceu o Figueirense na última rodada da Série B e chegou aos 33 pontos, no 13º lugar da Série B.

Já o Vitória, em situação cada vez mais delicada na Série B, agora na vice-lanterna após o triunfo do São Bento sobre o Vila Nova, ontem à noite, precisa vencer para respirar. E nada melhor do que fazer isso em casa, diante de um torcedor que quer ver o Barradão voltar a ser o alçapão rubro-negro.

*Sob a supervisão doeditor Léo Santana