Plantão

Sex, 08/11/2019 | Atualizado em: 08/11/2019 às 04h05


Plantão

Covardia Apaixonado pela ex acaba executado

ANDREZZA MOURA
A+ A-

"Ele foi morto por amar demais. Ele era louco por ela", lamentou a doceira Bárbara Taís Santos, ao falar sobre o assassinato do irmão caçula, o vendedor ambulante Eric dos Santos Queiroz, 23 anos. Ele morreu na madrugada de ontem, no Hospital Geral do Estado (HGE).

O rapaz levou um tiro na cabeça, na manhã da quarta-feira (6), logo após descumprir a medida protetiva que o proibia de se aproximar da ex-namorada, uma estudante de direito, de 45, com quem se relacionou por quase três anos e estava separado há dois meses. Ele recebeu a notificação sobre a medida protetiva na terça-feira (5), um dia antes do crime.

Conforme testemunhas, Eric conversava com um tio na porta de casa, na Rua Urbano Duarte, no Monte Serrat, quando o irmão da mulher, que seria um policial militar, se aproximou e, após ordenar que ele se deitasse no chão, o agrediu com chutes no rosto e, em seguida, atirou à queima-roupa em sua cabeça.

"Ele estava sentado aqui neste banco, conversando. Aí o cara [PM] parou a moto lá embaixo, tirou a arma da cintura e veio andando. Mandou ele deitar no chão, deu mais de 50 'bicudas' no rosto dele. Só parou quando dissemos que estava filmando. Depois disso, ele abaixou e deu o tiro", contou um morador da rua.

Ainda segundo ele, após a ação, o homem ameaçou outros moradores e, em seguida, saiu andando tranquilamente, pegou a moto e foi embora. Eric estava sentado em frente à casa onde morava com uma irmã e dois sobrinhos pequenos.

Sem se identificar, o rapaz revelou que o policial recebeu o apoio de uma viatura da 17ª CIPM (Uruguai). "A viatura 1721 ficou parada ali na Terceiro Barreiro [travessa] e ele [suspeito] veio pela Segunda Barreiro. Os policiais ficaram do lado de fora com as armas nas mãos. Se ele [Eric] corresse lá para cima, com certeza, eles [PM's] atirariam nele", analisou o homem. As duas travessas são transversais à Rua Urbano Duarte.

Em nota, a Polícia Militar informou que, quando a viatura chegou ao local, Eric já estava baleado e o suspeito havia fugido e que, horas depois, o policial que atirou se apresentou na Corregedoria do órgão e foi preso em flagrante.