Viver Bem

Qui, 26/03/2020 | Atualizado em: 26/03/2020 às 04h01


Viver Bem

Com a pandemia Pode ser mais difícil ter uma boa noite de sono

Durval Ferreira*
A+ A-

A pandemia de coronavírus modificou drasticamente a rotina dos brasileiros. Além disso, o avanço do número de pessoas infectadas pode provocar sensações de pânico, ansiedade e insônia em muita gente.

Segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), 73 milhões de brasileiros têm insônia. Com a pandemia, outras pessoas podem sofrer com o problema.

"Estamos vivendo um momento muito ansiogênico. Todos estamos sendo afetados de alguma maneira, mas algumas pessoas podem sentir os efeitos da ansiedade mais intensos. A incerteza sobre o futuro e a mudança na rotina podem contribuir diretamente para a diminuição do sono", explica a psicóloga Luana Cerqueira.

Uma estratégia para lidar com a mudança de rotina é a prática de atividades físicas, como o ioga. "A melhora da insônia não acontecerá em apenas um dia. Geralmente, o corpo precisa de alguns dias para se acostumar com as mudanças. É importante também uma atividade física, de preferência longe do horário de dormir. A prática de ioga pode ajudar no controle da ansiedade e, consequentemente, na melhora do sono", fala a profissional.

A rotina de sono das crianças também pode ser afetada com a quarentena. Por essa razão, a psicóloga dá a dica: "É importante orientar as crianças e explicar o que está acontecendo no mundo. Mas essa explicação deve ser feita com cuidado, com palavras que elas entendam, de forma que elas colaborem com os cuidados. É preciso ser criativo na elaboração de atividades em casa. Vale a pena pesquisar na internet, trocar dicas com outros pais e até mesmo com os professores da escola. A troca de informações pode ser útil para que os pais deem continuidade aos ensinamentos da escola, de forma adaptada".

*Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos