Plantão

Seg, 15/06/2020 | Atualizado em: 15/06/2020 às 06h24


Plantão

Jovem é solto após prisão controversa

Thaís Seixas
A+ A-

"É difícil estar em uma cela gelada, tendo que queimar plástico e papel, comer com a mão e passar frio. Sei que tem muita gente passando frio, mas você pagar por algo que não fez é um absurdo". Este é o relato do estudante Gabriel Silva Santos, 23 anos, que, na última sexta-feira (12), foi preso nas proximidades do Centro Administrativo da Bahia (CAB), enquanto tentava sacar o auxílio emergencial em uma agência da Caixa Econômica Federal

A prisão foi motivada pela suposta semelhança física de Gabriel, que é negro, com o suspeito de roubar um carro no local dois dias antes. Solto na manhã de ontem, o estudante disse que foi abordado por policiais que, segundo ele, já se aproximaram atirando. Em seguida, foi levado à Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos.

Sobre a abordagem policial, ele ressalta que foi pego de surpresa e ouviu de um dos agentes que a esposa da vítima do roubo havia reconhecido ele, "apesar do cabelo estar diferente".

"Eles já desceram do carro atirando. Aí eu pensei que era um assalto, joguei meu celular para perto dele (policial) e coloquei minhas mãos atrás da cabeça. Ele disse que era polícia, me algemou, me colocou num canto e falou sobre o carro. Eu não sabia explicar porque não fazia ideia do que era. Eles chegaram a atirar perto do meu ouvido. Nesse momento, eu achei que já tinha recebido um tiro. Pensei que ele ia me executar ali mesmo", lembra.

Gabriel foi solto após uma liminar da Justiça e tomou conhecimento da repercussão do caso. Junto com familiares e amigos, o jovem participou de um protesto em frente ao Tribunal de Justiça, no CAB.

"Achei incrível (a repercussão), porque já vi tantos casos acontecerem e eu acompanhava e compartilhava, porque sabia que podia passar por isso um dia", revela ele.

* com informações de Ashley Malia e Yasmin Hohenfeld