Jefferson Domingos

redacao@jornalmassa.com.br

Após o empate contra o São Paulo, o Bahia vai para a sua segunda partida seguida fora de casa no Campeonato Brasileiro. Amanhã, o Tricolor encara o Ceará, às 20h, no Castelão, em Fortaleza.

Em quarto lugar na tabela, com sete pontos e um jogo a menos, o Esquadrão tentará bater o seu carrasco dos últimos anos, em um duelo com muita rivalidade regional. Bahia e Ceará protagonizaram, recentemente, duas finais de Copa do Nordeste: em 2015 e 2020. As duas foram vencidas pelo Vozão. A derrota deste ano teve um gosto ainda mais amargo. Por causa da pandemia do coronavírus, a reta final do Nordestão foi disputada em Salvador como sede única. Assim, o Esquadrão foi derrotado pelo Ceará nos dois jogos da decisão em pleno estádio de Pituaçu.

O revés culminou em uma pequena crise no Bahia, com o técnico Roger Machado e a diretoria sendo bastante questionados pela torcida – muros ao redor da Cidade Tricolor chegaram a ser pichados. Aí veio o Brasileirão e o cenário mudou. Apesar das atuações questionáveis, o Bahia somou sete pontos em três jogos e, invicto, está no G-4. Já o Ceará de Guto Ferreira não embalou com a conquista regional e está penúltimo na tabela, com apenas um ponto conquistado em quatro rodadas.

Para a partida, o Tricolor terá o desfalque do goleiro Douglas, que sentiu a posterior da coxa no jogo contra o São Paulo. Ele voltou para ser avaliado em Salvador, enquanto o restante do elenco foi direto para Fortaleza. Anderson será o substituto. Apesar da rotina intensa de jogos – o Esquadrão é a equipe que mais entrou em campo entre os 20 clubes da primeira divisão, com 31 partidas -, Roger Machado deve repetir os outros 10 atletas de linha.

O único treino antes da partida será realizado hoje. “Quem atuou por mais de 45 minutos (contra o São Paulo) fará uma atividade leve, de recuperação”, explicou o preparador físico Luiz Andrade.