Foto: REUTERS / Dado Ruvic / Illustration

Agência Brasil
redacao@jornalmassa.com.br

O Brasil mantém tratativas com nove laboratórios ou centros de pesquisa atuando emestudos e no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19. Com os responsáveis pelas vacinas Oxford e Astrazeneca e do consórcio da OMS Covax Facility,já foram celebrados acordos para a aquisição de 140 milhões de doses no primeiro semestre de 2021,que serão disponibilizadas pelo Programa Nacional de Imunização.

O balanço foi apresentado ontem, em entrevista coletiva do Ministério da Saúde. As nove iniciativas de pesquisa são: Oxford/Astrazeneca (Reino Unido), Sinovac/Butantan (China), Pfizer (EstadosUnidos eAlemanha),Sinopharm (China), Sputinik5 (Rússia), Covaxx e Novavax (Estados Unidos), Janssen (Bélgica) e Merck (Estados Unidos,FrançaeÁustria). Uma das frentes de atuação do governo brasileiro está no consórcio de países organizado pela OMS Covax facility.

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, informou que o Brasil pagou, na quarta-feira (7), a primeira parcela. Com isso, o país passa a ter direito a resultados positivos das pesquisas e de eventuais vacinas desenvolvidas. O país assegurou 40 milhões de doses para o primeiro semestre de 2021.

Caso alguma das vacinas tenha êxito nas análises, a aplicação na população, ou nos segmentos selecionados, ocorrerá pelo Programa Nacional de Imunização. A participação exigirá a oferta do CPF.