Foto: Felipe Iruatã / Ag. A Tarde

*Bruno Brito

Com baixa adesão até o momento, a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite para crianças até cinco anos acende o alerta dos órgãos estaduais e municipais quanto à necessidade de reforçar a importância da imunização, impossibilitando assim, o retorno de doenças já erradicadas ou controladas, como a própria poliomielite e o sarampo. 

Até a última sexta-feira, quinto dia de campanha, apenas 6.457 doses haviam sido aplicadas em todo o estado, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Considerando que população total nesta faixa etária na Bahia é de 854.473 crianças, o número representa apenas 0,76% de cobertura vacinal. Já em Salvador, no mesmo período, 2.301 indivíduos foram imunizados via oral, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). 

A mobilização segue até 30 de outubro e tem como meta imunizar 95% do público total. Para a coordenadora Estadual de Imunizações, Vânia Rebouças, a baixa procura reforça a necessidade de intensificar o controle de doenças. “A gente já eliminou a poliomielite há mais de 30 anos, mas temos alguns países endêmicos e não podemos permitir que o vírus retorne. Se um caso desses países endêmicos vem pra cá e aqui encontra pessoas suscetíveis, teremos o retorno da doença, por isso, para diminuir esses risco, precisamos garantir grandes coberturas vacinais”, afirmou.

*Sob a supervisão da jornalista Hilcélia Falcão