Governador de São Paulo diz que depende da aprovação da fase 3 dos testes com essa vacina
Foto: Miguel Noronha/Futura Press/Estadão Conteúdo

Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria, disse que a vacina chinesa contra o novo coronavírus, chamada CoronaVac, poderá estar disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de dezembro. Isso vai depender de resultados positivos da terceira fase de testes e de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No entanto, nem toda a população brasileira poderia ser vacinada em dezembro, já que a produção ainda seria insuficiente. A expectativa é que,inicialmente, sejam disponibilizadas 45 milhões de doses, enviadas pela China.

“Se tivermos esta terceira fase de testagem bem concluída no final do mês de outubro, ou no máximo até a primeira quinzena de novembro, já em dezembro deste ano teremos a vacina disponível para a imunização da população brasileira. Nesta primeira etapa teremos acesso a 45 milhões de doses”, disse o governador de São Paulo, João Doria.

“Mas com a ressalva de que precisaremos ter a aprovação dessa terceira fase de testagem e aprovação também da Anvisa”, ressaltou Doria, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Detalhes

Caso seja aprovada, a vacina passaria a ser produzida no país pelo Instituto Butantan, que tem capacidade atualmente de produzir 120 milhões de doses, o suficiente para vacinar 60 milhões de pessoas (já que esta vacina seria aplicada em duas doses). O Butantan busca duplicar a sua capacidade de produção. Para isso, ele precisa de doações de R$ 130 milhões da iniciativa privada. Até julho, conseguiu R$ 96 mi.