Foto: Max Haack / Secom Data: 13/10/2020

Prefeito da capital considera coerente o cancelamento de debates na pandemia

Da Redação

Após o cancelamento do debate da TV Bahia, alegando preocupação com “cumprimento das normas sanitárias”, o prefeito ACM Neto (DEM) defendeu o direito de as emissoras cancelarem os eventos em meio à pandemia do Covid-19.

O gestor pontuou que as emissoras não têm obrigações legais com a realização dos debates e que as decisões estão sendo pautadas com o intuito de “afastar um risco maior de contágio” no momento. “Não tenho que achar nada. Por que eu tenho que achar alguma coisa? Cada emissora tem o direito de fazer a análise sobre a conveniência de realizar ou não. Não há nenhuma lei no Brasil que obrigue emissora a realizar debate. Vai de acordo com a análise de cada veículo, e existe algo chamado coronavírus que está aí e exige que todos cuidados sejam tomados”, ponderou.

A decisão da emissora, que pertence à família de Neto, foi criticada pela oposição ao candidato do prefeito, Bruno Reis (DEM). O cancelamento teria sido motivado por “interesses políticos”, segundo Olivia Santana (PCdoB) , e teria sido uma “manobra para beneficiar certas candidaturas”, na visão de Bacelar (Podemos).

Neto aproveitou para fazer críticas ao modelo de debates realizados durante o pleito eleitoral em todo país. De acordo com ele, a obrigação de povoar os estúdios com muitos candidatos e o formato, ao qual definiu como “engessado”, entendiam o eleitor e não “levam a lugar algum”.