Criado em março de 2016, o ‘Esporte & Vida’ oferece transformação social através de práticas esportivas e cursos de qualificação profissional na Boca do Rio

Pedro Moraes*
redacao@jornalmassa.com.br

Nesse período de pandemia, um dos responsáveis por “abraçar” crianças e jovens das comunidades da Boca do Rio e adjacências é o Projeto Esporte & Vida. Através de atividades esportivas e cursos de acompanhamento técnico, a iniciativa envolve uma série de ações que objetivam o auxílio na formação destas pessoas em estado de vulnerabilidade, oferecendo perspectivas seguras e saudáveis para a formação de cidadãos de bem.

Três subprojetos esportivos integram o Esporte & Vida, que surgiu em março de 2016. São eles: Skate & Vida, Surf Day e Unidos pelo futebol. Para o fundador Marcelo Caldas, a oportunidade dada às crianças e jovens entre 7 e 21 anos é também uma forma de acompanhamento individual de cada participante.

“Nosso atendimento é holístico, não visamos apenas a prática esportiva, mas acompanhamos a vida dos participantes e também de suas famílias, com suporte social, psicológico e espiritual. Visitamos constantemente os participantes e ajudamos com outras demandas, como alimentação, vestuário, equipamentos esportivos e até minirreformas em algumas residências”, explicou ele, ao MASSA!.

Para participar do projeto é necessário ir até a sede ,na Rua Brasília Lemos, número 8, no bairro de Pituaçu, e solicitar a inscrição gratuita. O Esporte & Vida realiza aulas de skate na Surf& Skate House, no Jardim Pituaçu, das 9h às11h. Já o surf, para crianças e jovens de 12a 21 anos, acontece na Praia do Corsário, com aulas quinzenais aos sábados das 7h às 11h.

No futebol, que envolve 40 garotos entre 7 e 16 anos, as aulas são semanais, aos sábados, das 9h às11h,no Parque de Pituaçu. No entanto, devido à pandemia, as atividades permanecem suspensas desde abril. Com o desafio de manter a iniciativa em pé, Marcelo revela que os recursos limitados têm sido a principal dificuldade.

“Nossa maior dificuldade são recursos humanos e financeiros. Precisamos de voluntários e criaremos em 2021 um plano de apadrinhamento das crianças e jovens”, completou. Apesar da paralisação nas atividades, a iniciativa doou cerca de 400 cestas básicas às famílias envolvidas e tem realizado visitas periódicas com os pais e responsáveis dos integrantes.

POTENCIALIZAÇÃO DE CARREIRAS PROFISSIONAIS

Diante do cenário ameaçador das periferias, o projeto Esporte & Vida lançou neste ano o primeiro módulo do projeto Oficina. Entendendo a necessidade de inserir os jovens no mercado de trabalho, a fim de ocupá-los socialmente, a iniciativa fornece aulas de informática, empreendedorismo, microcrédito, produção de pranchas, cursos de idiomas (inglês), entre outros.

Com as atividades acontecendo no espaço interno da Igreja Batista da Orla, o projeto busca despertar o interesse dos alunos pelos estudos e pelo espaço no competitivo mercado profissional. “O projeto é executado por um parceiro nosso que, além de treinar e capacitar os garotos, indica para participação em processos seletivos de empresas de pequeno e médio porte.

Já temos uma lista de garotos na fila esperando vagas para serem indicados. Além dos cursos profissionalizantes, ainda fazemos coaching com os garotos e, aqueles que desenvolverem aptidão para o empreendedorismo, iremos fornecer microcrédito para iniciar seu pequeno negócio”, disse Marcelo Caldas. “A maior recompensa é serem instruídos corretamente para que eles possam ‘pescar o próprio peixe’. Há um projeto de microcrédito para iniciativas empreendedoras. Já doamos bicicletas para garotos que iniciaram na área de delivery”, completou.

INICIATIVA APROVADA PELA COMUNIDADE

Acompanhando crianças e adolescentes entre 7 e 15 anos, Lilian Conceição atua como monitora e é mãe de Enzo, de 9 anos, que faz parte do Skate & Vida. Para ela, a iniciativa preenche a lacuna da necessidade e da oferta para que os jovens se desenvolvam.

“O projeto tem suprido necessidades para nossas crianças aqui da comunidade, as ensinando a enxergar diretrizes que antes não tinham, tirando elas das ruas, descobrindo talentos e, através do esporte, mudando destinos. Esse trabalho é de excelência”, destacou. Aos 18 anos, Augusto Cezar é um dos alunos privilegiados pelo projeto Oficina. Oportunizado com aulas dos cursos técnico em vendas e atendimento ao cliente, ele destaca que a metodologia ajuda a obter chances no mercado de trabalho.

“É excepcional, pois a maioria das pessoas que estão fazendo aulas gratuitas e eficazes, não tem condição financeira e acaba abrindo portas para o mercado, ajudando assim muitas pessoas”, ressaltou o jovem.